Diego Hypolito: ‘Quero que as pessoas saibam que sou gay’

O ginasta Diego Hypolito falou pela primeira vez sobre sua sexualidade nesta quarta-feira, 8, em depoimento ao site UOL.

O atleta medalhista de prata na Rio-2016 contou que descobriu ser gay aos 19 anos e que escondeu a informação até mesmo de familiares, por questões religiosas e por medo de isso afetar sua carreira.

“Eu vivi a solidão de não ter ninguém com quem eu pudesse compartilhar os dilemas de ser uma pessoa gay numa sociedade preconceituosa. Por mais que todo mundo tenha a impressão de que tem muito gay na ginástica, não tem. Todo mundo me zoava, zombava do meu jeito. Eu tinha o sonho de conseguir uma medalha olímpica e faria de tudo para chegar lá, até esconder quem eu era. Eu tinha certeza que se um dia eu saísse do armário publicamente, perderia patrocínios e minha carreira seria prejudicada”, afirmou o ginasta de 32 anos.

“A minha felicidade era a ginástica, então se eu não pudesse ser completo na minha vida pessoal, nem tinha tanto problema. Eu ia continuar a esconder a minha sexualidade para manter vivas as minhas aspirações no esporte. E deu certo, né? Uma medalha de prata em Olimpíada. Dois títulos e outras três medalhas em Mundiais. Mais 69 em Copas do Mundo”, continuou.

“Eu caí duas vezes em duas Olimpíadas, uma vez de cara, outra de bunda no chão, e enfrentei uma síndrome do pânico antes de conseguir a prata na Rio-2016 – contrariando as expectativas de todo mundo, menos as minhas. Realizei meu sonho e virei exemplo de superação para muita gente. Tenho muito orgulho do que fiz. Mas odeio mentir”, contou ele. Sobre ter sua sexualidade questionada por muitos anos, Hypolito revelou que pediu ao assessor de imprensa para que evitasse esse tipo de pergunta.

Hypolito contou que frequentou baladas gay disfarçado durante muitos anos e que sofreu com problemas de auto-estima e síndrome do pânico.

Estudo explica porque casar com homem feio te fará mais feliz

Simaria, que é casada com gringo, chama brasileiros de vagabundos e gera revolta